Coloridos – uma linda falésia no interior de SP

Coloridos – uma linda falésia no interior de SP

Fazia tempo que Ana e eu estávamos planejando irmos à falésia dos Coloridos. Muitas promessas aos amigos Ana Ligia Fujiwara e Rafael Rodrigues que nunca davam certo, mas eis que finalmente conseguimos unir fazermos a discotecagem na festa de halloween do ginásio Powerbloc de Campinas, com dois dias de escalada em Águas de São Pedro.

A festa de halloween foi muito divertida, e a ideia era sair de Campinas bem cedo no dia seguinte, para que pudéssemos aproveitar ao máximo o dia seguinte. A festa terminou cedo e fomos dormir na casa do Guinho, que topou nos acompanhar no dia seguinte.

Ana na festa da Powerbloc. Imagem : Ricardo Leizer

Ana na festa da Powerbloc. Imagem : Ricardo Leizer

Powerbloc. Imagem Ricardo Leizer

Powerbloc. Imagem Ricardo Leizer

Ricardo Leizer, eu a Ana. Imagem Tom Papp.

Ricardo Leizer, eu a Ana. Imagem Tom Papp.

Armando Galassini da Chaltén Empanadas e Ricardo Leizer.

Armando Galassini da Chaltén Empanadas e Ricardo Leizer.

COLORIDOS

Nos encontramos com o Rafa e Ana no estacionamento da falésia e após uma rápida trilha, estávamos nas primeiras vias.

A base das vias é sombreada e bem confortável. Após Ana e3 Rafa fazerem a apresentação das melhores vias, entramos em duas muito interessantes: “A hora do espanto” e “Laranja mecânica” que eram uma boa amostra do estilo e qualidade da rocha local. Ainda nesse setor fizemos a “Arquivo X” onde é bem recomendável usar um clipstick para sair com a primeira proteção clipada.

Guinho na "A hora do espanto 1"

Guinho na “A hora do espanto 1”

 

Ana na "Bruna surfistinha"

Ana na “Bruna surfistinha”

 

Ana Lígia Fujiwara na "E o vento levou"

Ana Lígia Fujiwara na “Expresso do Amanhã”

 

_ERF4920

Ana Lígia na “E o vento levou”

Logo na primeira via a impressão é ótima. Rocha firme, proteção de primeira e bem posicionada, tudo excelente. Bate até uma tristeza de não ido conhecer antes, pois esse estilo é o que mais gosto, e faz meu treino em ginásio realmente valer a pena, pois a escalada em arenito tendo a ser bastante atlética quando a parede é vertical e negativa.

Para fechar o dia, ainda escalamos “Bruna surfistinha” que é nota 10 também, com um crux apimentado para bater na base e que dá o grau da via.

No dia seguinte, fomos apenas Ana e eu no Setor Anarquista, uma vez que todos os nossos amigos tinham compromisso da segunda-feira.

Tivemos um pouco de dificuldade em encontrar as vias recomendadas, até que finalmente achamos uma plaquinha com o nome de uma via e pudemos nos localizar. Nesse setor fizemos as lindas “Ave de rapina”, “Ave de Itirapina”, “Tubarão vermelho” e “Sonhar é preciso”.

Identificação ajuda quem é visitante.

Identificação ajuda quem é visitante.

Os dois dias foram bem aproveitados e gostaríamos antes de mais nada, agradecer aos conquistadores. O lugar é 5 estrelas, e vamos voltar com mais tempo para entrar em vias mais difíceis com certeza, e em breve, ahahaha.

Ana na "Sonhar é preciso"

Ana na “Sonhar é preciso”

Eliseu Frechou

Eliseu Frechou

Guia de montanha e instrutor de escalada. Iniciou no esporte em 1983 e desde então se dedica ao montanhismo e à escalada tempo integral atuando em diversos segmentos, mas principalmente na organização de expedições, produção de documentários e filmes.


Related Articles

Escalando na estepe argentina

Após escalarmos apenas duas vias em 5 dias nas Agulhas do Frey, entre tempo ruim e neve fofa demais para

Akira – área de boulder está fechada

É com tristeza que recebi hoje o comunicado da proprietária dos boulders Akira, situados no bairro do Monjolinho em São

Jean Ouriques fala sobre Kriptonita e a escalada esportiva em Minas Gerais

O escalador mineiro Jean Ouriques fala em entrevista exclusiva, as dificuldades que teve para escalar pela primeira vez a via

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment