O Brévent pela Frisson-Roché – Chamonix

O Brévent pela Frisson-Roché – Chamonix
Rogério na segunda enfiada.

Rogério na segunda enfiada. No fundo do vale, a cidade de Chamonix.

O maciço do Brévent domina o visual da face oposta às Agulhas de Chamonix. A parede não é tão grande, mas impressiona, pois está bem no alto, a menos de mil metros abaixo da altitude da Aiguille do Midi, mas para quem a vê de baixo, parece quase na mesma altura.

O que importa para quem escala, é que a rocha, a proteção e a aproximação são espetaculares. Assim como a visão do maciço do Mont Blanc, se você tiver a sorte deescalar num dia de poucas nuvens.

A rota que escalei este ano com o Rogério Jorge, já havia feito com minha esposa Ana, num dia de muitas nuvens que não nos permitiu ver o Mont Blanc. Desta vez, não tivemos melhor sorte. Subimos em um dia no qual a noite anterior foi de muita chuva, e é claro que quando lá chegamos, a mais de 2.500m de altitude, os platôs, fendas e agarras estavam cheios de neve. Menos mal que pudemos descer, pegar o outro teleférico e ir para a o Valle Blanche.

No dia seguinte, saímos cedo e entramos na Frisson-Roche antes das 09h00, o que nos garantiu não termos nenhuma cordada acima de nós para jogar pedras em nossas cabeças. O dia estava bem nublado, mas sem previsão de chuva. Resolvemos arriscar e escalar rápido, sem levar corda extra para descer em caso de pedra molhada.

A via ainda tinha partes escorrendo água, mas no geral a via estava bem seca. O Rogério puxou a ficha da via e descobriu que o traçado original foi modificado recentemente pela Companhia de Guias de Chamonix, pois o percurso original passava por muita rocha solta. Agora a via é toda grampeada, o que possibilita carregar menos peso e escalar rápido. A grampeação é impecável, com distâncias entre grampos nunca superiores a 8 metros.

Terceira enfiada.

Terceira enfiada.

A parede começa com inclinação levemente positiva e vai ficando vertical a medida que subimos. A dificuldade média é o 6a francês. Em menos de 3 horas escalamos as 6 enfiadas de escalada puro prazer.

A rota não é equipada para rapel, as enfiadas são de 50m e se você quiser garantir uma eventual retirada, leve duas cordas.

O maciço do Brévent domina o visual da face oposta às Agulhas de Chamonix. A parede não é tão grande, mas impressiona, pois, está bem no alto, a menos de mil metros abaixo da altitude da Aiguille do Midi.

O que importa para quem escala, é que a rocha, a proteção e a aproximação são espetaculares. Assim como a visão do maciço do Mont Blanc, se você escalar num dia de poucas nuvens.

A rota que escalei este ano com o Rogério Jorge, já havia feito com a Ana, num dia de muitas nuvens. Desta vez, não tivemos melhor sorte. Subimos em um dia no qual a noite anterior foi de muita chuva, e é claro que quando lá chegamos, a mais de 2.500m de altitude, os platôs, fendas e agarras estavam cheios de neve. Menos mal que pudemos descer, pegar o outro teleférico e ir para a o Vallée Blanche.

No dia seguinte, saímos cedo e entramos na Frisson-Roche antes das 09h00, o que nos garantiu não termos nenhuma cordada acima de nós para jogar pedras em nossas cabeças.

Brévent

Brévent. A via segue o diedro ensolarado no meio da parede.

A via ainda tinha partes escorrendo água, mas no geral a via estava bem seca. O Rogério puxou a ficha da via e descobriu que o traçado original foi modificado recentemente pela Companhia de Guias de Chamonix, pois o percurso original passava por muita rocha solta. Agora a via é toda grampeada, o que possibilita carregar menos peso e escalar rápido. A grampeação é impecável, com distâncias entre grampos nunca superiores a 8 metros. Não estranhe o estilo local: eles grampeiam fendas sem pudor algum. Se uma via transcorre por fendas e não há equipamento móvel na lista do que levar, pode ir sem medo, pois estará tudo grampeado.

Rogério guiando a última enfiada, a mais irada da via.

Rogério guiando a última enfiada, a mais irada da via.

A parede começa com inclinação levemente positiva e vai ficando vertical a medida que subimos. A dificuldade média é o 6a francês. Em menos de 3 horas escalamos as 6 enfiadas de escalada puro prazer.

A rota não é equipada para rapel, as enfiadas são de 50m e se você quiser garantir uma eventual retirada, leve duas cordas.


Tags assigned to this article:
AlpesChamonix

Related Articles

Travessia da Serra Fina – do Ruah ao Três Estados e o final

O segundo dia começou mais cedo. Coloquei o despertador para as 05h50. Quer moleza? Fica em casa! Desmontamos o acampamento,

Mont Blanc du Tacul – Alpes 2014

Para finalizar a trip à Chamonix, a Ana queria fazer uma montanha de 4mil metros. Para tentarmos o Mont Blanc,

Escalando Elektra na “simpática” Ana Chata

Semana passada fiz mais uma das muitas viagens no tempo que são as repetições de algumas das vias da Pedra

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment