Escalada tradicional – segurança de cintura

Escalada tradicional – segurança de cintura

 

Segurança tradicional pela cintura.

Segurança tradicional pela cintura.

Antes do advento de qualquer dispositivo de segurança, a segurança tradicional, passando a corda pelas costas na altura da cintura, funcionava muito bem, além de economizar tempo muitas vezes precioso, em escaladas longas e às vezes bem fáceis. Como as cordas eram mais grossas e sem os tratamentos anti-abrasão que estão presentes nas cordas atuais, o atrito gerado no corpo do assegurador era o suficiente para segurar quedas de guias.

Ainda que hoje o mercado ofereça diversas opções bem leves e baratas de aparelhos, a segurança de cintura ainda é uma excelente opção para ajudar uma pessoa a subir uma rampa inclinada, onde a queda não terá grande aceleração. Já para assegurar um guia, que terá uma queda dinâmica, este sistema não é mais indicado por conta do que já foi comentado acima: as cordas de hoje são muito lisas e finas, então é bem provável que ao tentar segurar uma queda de guia, o segundo queime as mãos e acabe até soltando a corda!

Para assegurar o segundo, entretanto, basta manter-se atento e a segurança transcorrerá de maneira satisfatória.

O mais importante neste sistema, é que o assegurador de mantenha bem posicionado e ancorado.

+ Ancoragem – o assegurador tem que estar ancorado em um grampo, bico de pedra, ou numa situação onde ele esteja certo de que não será puxado montanha abaixo por conta do peso do assegurado.
+ Apoio – o pé de apoio será o do lado de onde vem a corda do assegurado. Em caso de queda, será esta perna que receberá o primeiro baque, impedindo o corpo de assegurador de rotacionar. Atente à este detalhe importante!
+ Se o assegurador estiver usando mochila, passe a corda por trás da mesma. Isso evitará que a corda corra diretamente nas costas do assegurador, prevenindo queimaduras e marcas.

O sistema
O assegurador deve se manter sempre de frente para o assegurado. A corda deve ser puxada com a palma das mãos sem deixá-la muito folgada, evitando trancos em caso de queda.
Em caso de queda, o assegurador levará a mão de freio na direção na mão guia, enrolando assim a corda em sua cintura e gerando o atrito necessário para travar a queda.
Antes de usar este sistema em uma escalada real, treine-o num ambiente controlado para estar certo de que entendeu perfeitamente o funcionamento, e está seguro quanto ao seu uso em substituição ao sistema de cadeirinha e freio convencional.

Segurança pela axila
Existe uma variante deste sistema que é passando a corda pela axila e não pela cintura. As vezes é mais cômodo, mas só deve ser utilizado se a pessoa a ser assegurada for bem leve (uma criança, por exemplo), caso contrário, o assegurador será puxado para baixo em caso de ter que segurar um peso muito grande.

Segurança pela axila.

Segurança pela axila.


Tags relacionadas:
axilacinturasegurança

Artigos Relacionados

O caminho do trabalho

Johann Lauda, no topo do Bauzinho, com a Pedra do Baú ao fundo, e a Serra da Mantiqueira à perder

Novo setor de escalada esportiva em Sao Thome das Letras

Neste final de semana, estive em São Thomé das Letras, onde na companhia do Pedro e Thiago Flauzino conheci o

Equipamentos para montanha e trilha

Os equipamentos que estou usando pelas caminhadas, pedaladas e viagens por aí Bota Tronador Snake – impermeável e respirável, de alta