Os boulders e a boiada na Ana Chata

Os boulders e a boiada na Ana Chata
No final dos anos 80, seu Getúlio (pai do Didier) tinha uma boiada razoável no pasto abaixo da Ana Chata, e mantinha a área sempre bem roçada para que o capim gordura crescesse bonito. Nessa época era possível avistar várias boulders que hoje estão escondidos pela mata.
Foi-se parte da boiada, e a vegetação cresceu e hoje há muitas árvores onde antes era só capim gordura.
Saulo de Tarso, devidamente equipado com kichute, num boulder sem nome, pois naquela época, o único que merecia menção era o "Heavy metal", situado a apenas 200m a esquerda.

Saulo de Tarso, devidamente equipado com kichute, num boulder sem nome, pois naquela época, o único que merecia menção era o “Heavy metal”, situado a apenas 200m a esquerda.

 

A trilha para o Baú e a Ana Chata, nos anos 80.

A trilha para o Baú e a Ana Chata, nos anos 80.

Eliseu no "Heavy Metal", 1992.

Eliseu no “Heavy Metal”, 1992.

Ana Chata em 2021 com árvores cobrindo grande parte do antigo pasto.

Ana Chata em 2021 com árvores cobrindo grande parte do antigo pasto. Bem melhor!

Eliseu Frechou

Eliseu Frechou

Guia de montanha e instrutor de escalada. Iniciou no esporte em 1983 e desde então se dedica ao montanhismo e à escalada tempo integral atuando em diversos segmentos, mas principalmente na organização de expedições, produção de documentários e filmes.


Related Articles

Carta Aberta à comunidade de montanhistas e escaladores de São Paulo

Carta Aberta à comunidade de montanhistas e escaladores da Pedra do Baú e seu entorno – MoNa Baú, Fundação Florestal,

A escalada na Pedra do Baú nos anos 70 – Papo com Ralph Pfister

Neste final de semana, após escalar com o amigo Weslei Costa, tive o prazer de encontrar com Ralph Pfister no

Websérie Profissão Montanhista

Em janeiro de 2022 Ana e eu iniciamos a websérie Profissão Montanhista, um projeto que nos consumiu mais de 16

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment