Cima Grande de Lavaredo

Cima Grande de Lavaredo

Sabe aquela situação na qual as pessoas te perguntam sobre algo o qual você parece ter obrigação de ter feito? Então. Volta e meia alguém me questiona:

– Você já escalou nos Dolomitas?

– Não.

Comecei a achar que nunca não ter ido aos Dolomitas era uma falta gravíssima no meu currículo.

Há a alguns meses, tenho acompanhado por hashtags no Instagram, imagens destas montanhas, que na verdade são 5 grupos bem diferentes em relação às características da rocha e distantes umas das outras, em uma região bastante montanhosa do norte da Itália. A ideia foi se materializando na forma de viagem, quando o Rogério Jorge, amigo de Campinas com o qual já escalei o Mount Whitney e o The Incredible Hulk, topou a empreitada, que agendamos para início de setembro.

A rock trip começou em Chamonix, na França, e depois seguimos para a Itália, com o objetivo principal de escalar a Cima Grande das Tre Cime de Lavaredo. A máxima de que “já que vai, finaliza escalando a maior pra não ter de voltar”, foi o pensamento na hora de escolher a montanha, que á como o nome já diz, é a maior da cadeia.

As Tre Cime de Lavaredo. A Cima Grande é a do meio.

As Tre Cime de Lavaredo. A Cima Grande é a do meio.

Ao chegarmos na Itália, fomos direto para a região do Trentino, onde vivem os amigos Cesar Grosso e a Tati, e o Roni Andres, escaladores brasileiros que moram em Arco há muitos anos e conhecem tudo por lá. Nos hospedamos na casa do Stefano Carli e da Estela, em Vigo Lomaso, distante 40min de Arco, mas que vale muito a pena, tanto pela beleza cênica da região (mais alta do que Arco), quanto pela quantidade de falésias sem nenhum crowd, o que é difícil de encontrar nas falésias perto do lago de Garda. Não poderíamos ter dado tanta sorte no local de base.

Já no caminho de ida à Europa, comentei com o Cesinha e a Tati de que iríamos às Tre Cime, e eles toparam ir junto conosco, o que foi perfeito, pois eles conheciam as estradas, falam bem italiano e estar em grupo sempre dá mais segurança.

Reservamos as vagas no refúgio Auronzo, que não é o mais próximo das bases das vias, mas é o único no qual se chega de carro. Melhor caminhar sem cargueira.

Chegamos no refúgio no final da tarde, e já demos uma corrida para identificar o caminho até o início das vias, que teríamos que fazer no dia seguinte, ainda no escuro. O Rogério e eu, iríamos pelo Spigolo Dibona, a clássica das clássicas do lugar, e o Cesinha e a Tati iriam tentar Le Voci del Coro. A caminhada se mostrou bem tranquila, com menos de 1h de duração em trilha bem marcada.

O time da frente do abrigo do Clube Alpino Italiano

O time da frente do abrigo do Clube Alpino Italiano: Tati, Rogério, Cesinha e eu.

O abrigo é sensacional: camas confortáveis, restaurante bacana, banheiros limpos… dormimos bem e acordamos às 04h30, iniciando a caminhada antes das 05h30. Antes das 07h00 o Rogério já esticava a corda na primeira enfiada.

Eliseu Frechou

Bora pessoal!

Logo nos primeiros metros fomos constatando que o croqui da via é muito falho. A lista de equipamento é genérica, indicando apenas n.d.a. (normale-dotazione-alpinistica) que significa algo do tipo: leve martelo, uns pítons, um jogo de nuts e um de friends! E o traçado do croqui também é difícil de entender. A regra era nos mantermos perto da aresta, e assim seguimos por mais de 14 enfiadas (perdi a conta lá pela nona) em uma rocha calcária extremamente fraturada, na qual dificilmente encontrávamos fendas sólidas para colocações pra peças sequer pequenas. Como os blocos eram muito encaixados, o que mais usamos para proteção eram pitons já instalados na rota. Grampos? Nenhum na via inteira. Havia bases de rapel já montadas a cada 25m, muitas delas apenas um piton e um cordelete laçando um buraco no calcário e unidos por um pedaço de corda (medo!).

Ambiente dolomítico de altitude. Rocha fraturada e alguns blocos soltos

Ambiente dolomítico de altitude. Rocha fraturada e alguns blocos soltos.

 

Base padrão Dolomitas. Medo :|

Essa base deu pra melhorar com friends. Mas eu não iria querer rapelar nela.

 

Base padrão Dolomitas. Medo :|

Base padrão Dolomitas. Medo :|

E assim fomos tocando, com paradas a cada duas bases de rapel, que foram na verdade, nossa melhor orientação durante o trajeto. O lance era sair na busca da próxima base. É um estilo bem diferente de tudo o que eu já tinha visto antes. E foi alí que eu entendi o do porquê de os italianos fabricarem tantos pitons. Se eu tivesse levado alguns, talvez os tivesse usado em alguma base. Por falar em equipamento, é normal as cordadas escalarem com 2 cordas de 50 ou 60 metros para facilitar os rapéis. Nós optamos por levarmos apenas uma corda de 60 metros e não tivemos problemas nem na via com a necessidade de usar corda dupla, nem nos rapeis de descida, pois as bases estão a menos de 25m uma das outras.

A Spigolo Dibona é uma via bem antiga, conquistada em 1909 e percorre por mais de 650m a aresta que fica de frente para a Cima Piccola. O grau varia entre o IV e IVsup, o que para quem está pela primeira vez escalando nessa rocha, é o limite da curtição. Se fosse um VI com as proteções ruins como são, e a rocha tão fraturada que não inspira confiança, a escalada seria bem tensa. Outro aspecto que merece ser citado, é que há muitos blocos soltos nos platôs. É necessária atenção redobrada para não soltá-los e atingir alguém mais embaixo. Há muitos relatos de acidentes devido a queda de pedras. A melhor dica para se prevenir nesse terreno, é chegar bem cedo e ser uma das primeiras cordadas a entrar na parede. Foi o que fizemos e não tivemos nenhum susto.

Rogério escalando rápido para chegar no sol.

Rogério escalando rápido para chegar no sol.

Como estávamos na zona de conforto, escalamos rápido, nos revezando nas guiadas e apesar das muitas dúvidas pelo caminho, antes das 12h00 chegamos ao topo. Até o lugar onde há uma cruz e o livro de cume, ainda tivemos que dar um rolê.

Lanche, assinatura do livro, selfies e depois de quase 2 horas vagando pelo topo, descemos pela via Normal, que tem diversos trechos intercalados de caminhada e escalada de III e IV, os quais rapelamos. Acho que fizemos uns 10 rapeis em bases de grampos muito novos, durante a descida dos 700m, que demorou mais duas horas e meia.

Topo!

Topo!

Na descida, notamos que apesar de ter trechos de caminhada, a via Normal também não é tão fácil quanto o grau III do croqui sugere. Primeiro que a escala inexiste no desenho. É essencial um bom entendimento e senso de orientação, ou você irá se perder bastante e demorar muito mais do que as 3 horas sugeridas para ascensão. A rocha é polida, e há muito mais blocos soltos. Se você pretende ir escalá-la, vista as sapatilhas da humildade. Use sim sapatilha para os lances de escalada fáceis pois as vezes eles são desprotegidos, capacete, jogo de friends e corda de 60m.

Terrenos fácil, mas instável.

Terreno fácil, mas instável.


Tags assigned to this article:
AlpesDolomitas

Related Articles

Nova rota na cachoeira do Tabuleiro

Em quatro dias de trabalho em solitário, uma nova via foi criada na imponente parede direita da Cachoeira do Tabuleiro,

Valle de los Cóndores – Chile

Daí que a Dra. Ana soltou no almoço: “Vamos pro Chile?” Ahhhh meu! Perguntar pra pobre se quer dinheiro é

Escalando na estepe argentina

Após escalarmos apenas duas vias em 5 dias nas Agulhas do Frey, entre tempo ruim e neve fofa demais para

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment