EliseuFrechouLFT

ELISEU FRECHOU, é guia de montanha, instrutor de escalada e atleta patrocinado. Dedicou 30 dos seus 45 anos ao montanhismo.

Fundou em 1989 a Montanhismus, primeira escola brasileira dedicada à escalada em rocha.

Trocando a capital paulista por São Bento do Sapucaí em 89, conquistou algumas das maiores e mais difíceis vias de escalada do Estado de São Paulo, dentre as quais “Neurônios Fritos” (V 5º VI A3 – 250m/3 dias) na face norte do Bauzinho, “Distraídos Venceremos” (V 5ºVII A3 – 310m/5 dias), e dezenas de outras na região da Pedra do Baú. Conquistou também, quase duas centenas de novas rotas na região da Serra da Mantiqueira, em diversos estilos e com até 9° grau de dificuldade.

"Vanilla sky" 9b, falésia dos Olhos, Brazópolis - MG

“Vanilla sky” 9b, falésia dos Olhos, Brazópolis – MG

Em 94, escalou em companhia de Elizabeth Borges a big wall Half Dome pela “Northwest Regular Route”(5.11 A2 – 800m/3 dias). Logo após, subiu uma as maiores paredes rochosas do planeta, o big wall El Capitan, pela rota “Zenyatta Mondatta”(VI 5.9 A4+ – 850m/9 dias), uma das mais difíceis rotas já escaladas por brasileiros, graduada em A4+. Ambas as big walls estão situadas no Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia, EUA. Por estas duas escaladas, ganharam o prêmio “Os Maiores Aventureiros de 1995”, conferido pela comunidade excursionista brasileira.

A impressionante muralha do El Capitan, Yosemite, EUA.

A impressionante muralha do El Capitan, Yosemite, EUA.

Em junho de 96, estabeleceu com uma equipe brasileira sob um calor de 53°C a rota “Solução Suicida” (6º VII A4 – 550m/6 dias) no Kaga-Tondo, a maior torre rochosa africana, situada no deserto do Sahel, Mali.

Embalando as armas para o Kaga-Tondo, Mali.

Embalando as armas para o Kaga-Tondo, Mali.

 

Eliseu, Marcio e Sergio no topo do Kaga-Tondo. Mali 96

Eliseu, Marcio e Sergio no topo do Kaga-Tondo. Mali 96

Em agosto deste ano escalou ainda, em solitário, a face norte da Pedra do Baú, uma das mais difíceis do país, numa escalada de dois dias.

Em julho de 98, repetiu a escalada mais difícil do Brasil, a rota “Terra de Gigantes” (VI 4°sup A4 600m/5 dias), na Pedra do Sino.

Terra de Gigante, Pedra do Sino, RJ

Terra de Gigante, Pedra do Sino, RJ

 

Em setembro, com Márcio Bruno, fez a terceira repetição da escalada mais difícil do El Capitan, a “Plastic Surgery Disaster” (VI 5.VI A5 – 750m/8 dias), sendo um dos poucos brasileiros que tem em seu currículo duas escaladas de dificuldade extrema no El Capitan.

Marcio Bruno na "Plastic Surgery Disaster", El Capitan, EUA.

Marcio Bruno na “Plastic Surgery Disaster”, El Capitan, EUA.

 

No final de maio de 2003 escalou em solitário a parede da Yosemite Falls (maior cachoeira americana e quinta mais alta do mundo), pela rota “Yosemite Pointless” (V 5.9 C3+ – 600m/3 dias), realizando a primeira ascensão clean da rota. Ainda em maio, repetiu a “West Face” (V 5.8 C2+ – 300m/2 dias) da Leaning Tower, considerada a parede mais negativa dos EUA. Em dezembro viajou com Chistopher Young em Siurana e Montserrat na Espanha para uma temporada de escalada esportiva e tradicional.

Em 2004 escalou a “West Face” (V 5.8 C2+ – 300m/2 dias) da Leaning Tower novamente, desta vez com o montanhista Marcelo Vaccari. Em outubro visitou com Chistopher Young os canyons de calcário de Potrero Chico, no México.

Em maio de 2006 esteve pela segunda vez no Mali onde abriu com Fernando Leal diversas vias e boulders, dentre elas a “Filhos do Sol”, no Wanderdebridu. Em setembro deste ano, ainda escalou com Wagner Pahl o “East Butress” do Mount Whitney, montanha mais alta dos EUA continental.

Keller needle, Day needle e Mount Whitney, EUA.

Keller needle, Day needle e Mount Whitney, EUA.

Escalada da Leaning Tower, Yosemite, EUA.

Escalada da Leaning Tower, Yosemite, EUA.

 

Em 2007 realizou a sua terceira ascensão na “West Face” (V 5.8 C2+ – 300m/2 dias), desta vez com o montanhista Christian Yoshioka.

Em janeiro de 2010, junto com os paulistas Marcio Bruno e Fernando Leal abriu a rota “Guerra de Luz e Trevas” (VI 6° VIIa A3 J4 – 650m/12 dias) na parede da Proa do Monte Roraima, na Guiana.

Acampamento vertical no Monte Roraima, Guiana.

Acampamento vertical no Monte Roraima, Guiana.

Em 2012 esteve novamente no Mali e abriu “Blowing in the Wind”  (V 6° VIIb A2 450m/4 dias) no Élefant.

No Mali, em 2013, abrindo uma nova rota brasileira.

No Mali, em 2013, abrindo uma nova rota brasileira.

Eliseu, Edemilson e Fernando. Élefant, Mali 2012.

Eliseu, Edemilson e Fernando. Élefant, Mali 2012.

Em agosto de 2013, visitou o Canadá, quando escalou a rota americana V 6° VIIc 700m, na Lotus Flower Tower no extremo norte do Northwest Territories.

Lotus Flower Tower e Parrot Beak, Northwest Territories, Canadá.

Lotus Flower Tower e Parrot Beak, Northwest Territories, Canadá.

Fernando, Valdesir e Eliseu no topo da Lotus Flower Tower, Canadá

Fernando, Valdesir e Eliseu no topo da Lotus Flower Tower, Canadá

 

Entre estas e outras viagens ao exterior, Eliseu viaja frequentemente pelo Brasil, escalando e abrindo rotas do CE ao RS.

Treinamento em muro.

Treinamento em muro.

Pedra da Divisa, o quintal de casa.

Pedra da Divisa, o quintal de casa.