Expedição Lotus Flower Tower – o topo e a volta

Expedição Lotus Flower Tower – o topo e a volta
Valdesir no diedro logo após o platô do Bivaque

Valdesir no diedro logo após o platô do Bivaque

Após o platô do Bivaque, como é conhecido este que é único platô realmente decente de toda a via, a rota segue por um diedro mais uma enfiada e meia, para depois entrar no “headwall mais bonito do planeta“.

 

Valdesir no headwall. Fendas infinitas

Valdesir no headwall. Fendas infinitas

Headwall é um termo americano que designa a parte superior de uma grande parede. Este seção da Lotus Flower tem 8 enfiadas, e desta vez é o Valdesir que assume a liderança, indo até o crux, onde eu guio já no “bico de corvo“, sentindo câimbras pela falta de água e comida, e com os pés destruídos. A estratégia de deixarmos as botas na base da montanha se mostrou uma furada numa via com paradas negativas, e que impossibilitava-nos de descalçar as sapatas para aliviar a pressão dos pés.

Fernando Leal jumareando a 14° enfiada

Fernando Leal jumareando a 14° enfiada

Eliseu no crux

Eliseu no crux

Passo o lance roubando descaradamente, meio em livre, meio artificial e para minha felicidade, a enfiada é curta, uns 35m apenas. Ufa!
A enfiada seguinte é de novo por fendas perfeitas e o Val guia mais uma, passando as duas finais para mim. Este trecho é tranqüilo, eu costuro em bem poucas proteções e consigo esticando a corda, chegar na parada juntando as duas enfiadas finais em apenas uma.

O Val sobe rápido, mas o Fernando tem problemas com a corda que insiste em prender nas fendas. São 19h00 quando os 3 chegam ao topo. Agilizamos rápido a descida e “caímos controladamente” montanha abaixo. As primeiras paradas são à prova de bomba, mas a medida que descemos, o estilo alpino piton/lacas com cordeletes predomina novamente, o que dá um frio na barriga

As 23h00, na última luz do dia, chego à base. Acendo a headlamp e a vontade é de deitar e dormir ali mesmo.

Na exaustiva caminhada de volta, fomos presenteados com uma aurora boreal. Sento no vento frio e agradeço. Agradeço por ter a saúde e a oportunidade de estar ali naquele momento, de ter tido a sorte na vida de escolher um esporte e um estilo de vida que me possibilitou tantas alegrias e conquistas pessoais como esta.

Aurora Boreal.

Aurora Boreal.

Agradecimentos à:
CONQUISTA
DEUTER
LIOFOODS
MONTANHISMUS
SNAKE
SOLO

 



Related Articles

Cachoeira da Fumaça – Chapada Diamantina II

Depois de três viagens à Chapada Diamantina, sair de lá sem conhecer a segunda maior queda d’água do Brasil seria,

Karma recebe dois prêmios na 7a. Mostra Internacional de Filmes de Montanha

O curta de Simon Spink recebe prêmios de MELHOR DIREÇÃO e MELHOR FOTOGRAFIA no mais importante festival de filmes de

Escalando a Agulha do Diabo | das antigas

A escalada da Agulha do Diabo no Parque Nacional da Serra dos Órgãos em Teresópolis, RJ. em matéria exibida no

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment