Califórnia 2017 – parte I – Mount Whitney

Califórnia 2017 – parte I – Mount Whitney
Arrumando as tralhas.

Arrumando as tralhas.

A temporada deste ano na Califórnia foi um pouco menos seca do que no ano passado. O plano para setembro era de escalar o Mount Whitney com o Rogério, e depois seguir com a Ana para o The Incredible Hulk.

A parte do Whitney foi corrida mas sucesso. Não conseguimos o wilderness permit para bivacar no pé da montanha, apenas um Day pass para subir e descer em 24 horas. No início achamos pesado dar o corre, pois a caminhada é bem acidentada, apesar de não ser longa. E a altitude dá uma enfraquecida no corpo, já que apesar de não ser tão alto (4.500m), o ganho é brusco. Lone Pine, onde está a Ranger Station, é quase na depressão da Califórnia, portanto quase no nível do mar.

Acordamos as 02h00 e após um rápido café, partimos acelerado ribanceira acima. Caminhar na madrugada é uma sensação muito diferente, principalmente se você está num ambiente desconhecido. Animais grandes como veados e racoons atravessando a trilha, e a possibilidade de cruzar com um urso, nos mantém em um estado de alerta constante. Como eu já havia feito a trilha várias vezes, não tive problemas de orientação, e logo ao nascer do sol, estávamos nas imediações do Iceberg Lake.

Pegamos mais um pouco de água, colocamos as pastilhas de iodo (bleah!) e iniciamos a escalaminhada até a base da via.

Rogério perto do Iceberg Lake.

Rogério perto do Iceberg Lake.

A falta de fôlego começou a pegar aí. Eu dava 20 passos e tinha que dar uma parada pra não infartar. Ao nos aproximarmos da base, notamos que o corredor de descida está coberto de gelo. Nessa hora, agradecemos por não termos subido com equipamento para pernoite. Sem necessidade de voltarmos para a base, tínhamos uma melhor opção de descida, que era de uma vez no topo, voltar pela rota da crista, que é uma caminhada de 18km até o ponto onde estava o nosso carro. Longe, mas seguro.

A via é conhecida e fluímos bem. A rota do East Butress é toda limpa. Apenas um piton em toda a extensão. As fendas são abundantes e a proteção depende mais do seu fator psicológico, do que da pedra. Levamos apenas um jogo de friends e um de nuts, e dá tranqüilo para proteger bem. Umas fitas grandes ajudam nas ancoragens naturais, laçando blocos e lacas.

O ambiente alpino é estupendo, e muito diferente do que vemos nas escaladas domésticas aqui do Brasil. Curtição garantida. Cada parada é uma viagem, deixando a imaginação perambular pelas montanhas ao lado.

Rogério no East Butress, com o Iceberg Lake ao fundo

Rogério no East Butress, com o Iceberg Lake ao fundo

 

Na metade do caminho.

Na metade do caminho.

 

A falta de oxigênio, mesmo diminuindo o ritmo, ainda se faz presente. Mas não nos impede de fazermos as 12 enfiadas em um bom tempo. Antes do meio dia, ligo o Spot e mando um salve pro pessoal do Brasil. Uso o satelital pra conversar com a equipe de casa, e após um rápido lanche, iniciamos a longa descida até o carro.

Topo!

Topo!

-Alô, Vitor? Como está a produção das cervejas esta semana?

-Alô, Vitor? Como está a produção das cervejas esta semana?

Gastamos mais uns dias escalando em Yosemite e depois fomos para San Francisco, onde O Rogério e sua esposa Nathália iriam para o sul da Califórnia, e eu encontraria a Ana para a segunda parte da trip.

ThanX: SOLO mountain wear, DEUTER mochilas e sacos de dormir, CAMELBACK garrafas e sistemas de hidratação, SPOT BRASIL sistemas de telefonia e sinalização satelital


Tags assigned to this article:
CalifórniaWhitney

Related Articles

Expedição Brasileira ao Monte Roraima

Nos domínios de Makunaima > Não posso negar que o Roraima tem sido meu sonho de consumo há mais de

Escalada da Pedra Riscada

Escalar a Pedra Riscada, definitivamente, não é tarefa fácil. Na semana passada estive em São José do Divino pela terceira

Escalada do Monte Roraima no Fantástico

Conquista de uma rota brasileira nos confins da floresta amazônica

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment