Freios “automáticos” para escalada e montanhismo – atualizado

Freios “automáticos” para escalada e montanhismo – atualizado

OS AUTOMÁTICOS

Os freios semi-automáticos foram um grande avanço em prol da segurança na escalada esportiva, possibilitando uma maior tranqüilidade em ambientes como ginásios ou falésias, onde o segurança teoricamente poderia relaxar e até ser displicente em relação ao travamento da corda, seja num top rope, seja numa via de escalada.

Mas então por que ainda acontecem acidentes devido à liberação de corda durante quedas, sendo que o segurança estava usando um dispositivo que “deveria” frear a corda durante uma queda inesperada?

A resposta é simples: Estes freios (grigri, cinch, vergo…), ao contrário do que alguns escaladores pensam, não são “inteligentes”, portanto não conseguem distinguir entre uma queda e uma puxada proposital do segurança querendo liberar a corda um pouco mais rápido.

Estes dispositivos travam a corda baseados na mudança abrupta de velocidade da corda que passa por dentro deles. Como o cinto de segurança dos automóveis. A grosso modo, quer dizer que se você começar a puxar a corda devagar e depois for aumentando a velocidade, puxando-a rapidamente – até que a velocidade seja muito alta – o freio não travará a corda, liberando centímetros que poderiam fazer a diferença entre o escalador que cai simplesmente flutuar no vazio, ou se espatifar no chão. Se ao contrário, a corda estiver parada e você a puxar de forma repentina, ele a travará quase que instantaneamente.

Nunca solte a mão que trava o freio. Eles não são tão "automáticos" como você gostaria que fossem.

Nunca solte a mão que trava o freio. Eles não são tão “automáticos” como você gostaria que fossem.

A boa notícia, é que você não precisa fazer nenhuma força com a corda para travar os aparelhos. Basta segurá-la com firmeza. E quando tensionado e travado, ele tipo de freio automático só libera a corda quando a alavanca de liberação é puxada propositalmente, permitindo que o segurança fique tranqüilo e não faça força para segurar uma pessoa pendurada.

Diversos outros fatores influenciam no travamento da corda. Bitola e estado de conservação interferem na frenagem. Uma corda mais fina e nova, ira gerar muito menos atrito no freio que uma corda grossa e toda peluda. Há anos a indústria de cordas vem advertindo que cordas finas devem ser usadas apenas por escaladores experientes devido à dificuldade de frenagem.

Importante frisar que alguns freios (como o grigri) não podem ser usados com segurança em escaladas com várias enfiadas, pois não devem ser usados perto do mosquetão direcionador ou costuras, sob o risco de numa queda violenta, esbarrar nos mosquetões ou rocha e estes destravarem a alavanca que libera a corda, causando um acidente. Neste caso (vias de várias enfiadas), você tem que optar por um freio modelo tubo.

Outra desvantagem deste tipo de aparelho que deve ser levada em conta é a impossibilidade de rapelar com corda dupla de uma forma simples. Dá pra rapelar e recuperar a corda? Dá. A forma de montagem do sistema é bem explicada nos manuais destes aparelhos.  Mas exige mais trabalho e exige mais das ancoragens, portanto não é boa idéia levar estes aparelhos para vias que você terá de rapelar. Eu não gosto de ser descido de baldinho quando termino uma rota esportiva, pois essa prática reduz a vida útil da corda. E eu gosto das minhas cordas 😉

Resumindo, estes freios, se bem usados são os mais indicados para escalada esportiva: são fáceis de liberar corda, fáceis de travá-la, não exige força para manter a corda travada e com certeza travam melhor que os tubos cordas de diâmetros muito diferentes.

OS TUBOS

Tubo é o nome de diversos equipamentos vendidos no mercado com formatos levemente diferentes e batizados de Piramid, Jaw, ATC, Chuy, Reverso e Bug, que são os mais fáceis de encontrar no Brasil. Esses tubos, quais quer sejam, levam vantagem em relação aos freios automáticos, quando o assunto é escalada de várias enfiadas. Podem ser usados sem problemas nas bases com orientador e possibilitam o rapel com corda dupla. Em relação aos diversos modelos existentes no mercado, os melhores são os que permitem o uso em modos de mais ou menos atrito, alternando os lados. Essa opção facilita quando você trabalha com cordas de diâmetros entre 9mm e 11mm. Dificilmente um freio sem esta opção será excelente em cordas finas e grossas. Eu uso os que tem “dentes” e geram atrito extra na corda quando ela passa pelo canal – e os que simplesmente esmagam a corda no estreitamento da entrada do tubo. Esses últimos são ótimos para rapéis com cordas grossas e quando usados com dois mosquetões, também são imbatíveis com cordas finas e lisas. Em geral, tirando os que são feitos para cordas abaixo de 9mm (em geral vendidos junto da corda), todos são bons, então escolha pelo peso e marca que confia.

 

ESQUERDA: modo com mais atrito. Use para fazer segurança ou rapelar com corda fina. DIREITA: modo menos atrito. Use para rapelar com duas cordas grossas.

ESQUERDA: modo com mais atrito. Use para fazer segurança ou rapelar com corda fina. DIREITA: modo menos atrito. Use para rapelar com duas cordas grossas.

ESQUERDA: modo com mais atrito. Use para fazer segurança ou rapelar com corda fina. DIREITA: modo menos atrito. Use para rapelar com duas cordas grossas.

ESQUERDA: modo com mais atrito. Use para fazer segurança ou rapelar com corda fina. DIREITA: modo menos atrito. Use para rapelar com duas cordas grossas.

Importante lembrar que é essencial ler o manual que acompanha seus equipamentos antes de usá-los. Se você não lê inglês corretamente, não deduza. Exija a explicação do lojista que o vendeu, ou visite o site do fabricante para baixar o manual em português (geralmente um arquivo PDF).

O importante é entender que nenhum tipo de freio é “a prova de negligência”. Mantenha sua mão sempre na corda que alimenta/trava o freio, pronta para segurar firme a corda e segurar uma queda inesperada. Não se distraia, passando a responsabilidade da vida de seu companheiro para um pedaço de metal e plástico.

Boas escaladas.


Related Articles

Nós errados e escaladores com vocação pra defunto

Em minha vida de escalador já vi muitos procedimentos errados. Técnicas que achávamos certas e depois de muito tempo, descobriu-se

Instalação de chumbador PBA

Aproveitando a manutenção das bases da via “Surfista Prateado”, que também servem como rapel (com uma corda de 60m) na

Ascensão por cordas com blocantes mecânicos

Todo montanhista tem que obrigatoriamente, carregar dois pedaços de cordelete, para numa emergência poder improvisar um sistema de auto-resgate usando

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment